António Dias Lourenço

Home | Conhecer | Investigação | Testimonios

“… temos fome, queremos visitas, temos fome, queremos visitas, temos fome…”

António Dias Lourenço

Às vezes éramos castigados, duramente. Por exemplo, um dos castigos foi estar um quarto de hora a ser espancado a cassetete por cinco guardas ao mesmo tempo, eu e mais um, estávamos treze, eu era o número dois, foi um castigo que nos foi dado por causa dum protesto que fizemos. Queixámo-nos cá para a rua “temos fome, queremos visitas, temos fome, queremos visitas, temos fome”, isto em Peniche, e como eu era o número dois, havia a cela número um, cela número dois, número três (…).

In Vidas na Clandestinidade, Ed. “Avante”, 2011

Cuéntanos tu historia

Contribuye a nuestra memoria histórica colectiva

Si desea dejar su testimonio contribuyendo a nuestra memoria histórica colectiva, o poner a disposición un objeto/documento que sea relevante para el Museo Nacional Resistência y Libertad – Fortaleza de Peniche, déjenos un mensaje y nos pondremos en contacto com usted.

Déjanos tu testimonio
[contact-form-7 404 "Not Found"]