Augusto Valdez

Home | Conhecer | Investigação | Testimonios

“Desde que fui preso, em 13 de janeiro de 1938, pus a mim próprio a palavra de ordem: Fugir”

Augusto Valdez

«Desde que fui preso, em 13 de Janeiro de 1938, pus a mim próprio a palavra de ordem fugir. Logo na incomunicabilidade, eu comecei a viver para essa ideia. Da incomunicabilidade fui para o Aljube. Estive aí perto de um mês, mas não vi possibilidade de fuga de lá. Depois fui para Peniche. Aí havia possibilidade de fuga. E lancei mãos à obra. Tratava-se de arranjar serras com que serrar umas grades; arranjar auxílio do exterior para que apagassem as luzes da fortaleza (o que era possível fazer fora dela) e para que nos trouxessem um barco e uma corda. (…)»

“Augusto Valdez: Relatório da Minha prisão e da minha fuga” in Forte de Peniche Memória, Resistência e Luta, 2017

Cuéntanos tu historia

Contribuye a nuestra memoria histórica colectiva

Si desea dejar su testimonio contribuyendo a nuestra memoria histórica colectiva, o poner a disposición un objeto/documento que sea relevante para el Museo Nacional Resistência y Libertad – Fortaleza de Peniche, déjenos un mensaje y nos pondremos en contacto com usted.

Déjanos tu testimonio




A informação que vai enviar será guardada e processada através de email apenas para os fins acima mencionados. O MNRL irá tratar a sua informação pessoal com toda a confidencialidade e segurança de acordo com o estabelecido nos regulamentos de proteção de dados. Poderá retirar o seu consentimento de utilização dos dados em qualquer altura. Para tal deverá entrar em contacto com o nosso serviço de apoio a clientes através do endereço do seguinte endereço de email: geral@mnrl.dgpc.pt