António Dias Lourenço

Home | Conhecer | Investigação | Testemunhos

“… temos fome, queremos visitas, temos fome, queremos visitas, temos fome…”

António Dias Lourenço

Às vezes éramos castigados, duramente. Por exemplo, um dos castigos foi estar um quarto de hora a ser espancado a cassetete por cinco guardas ao mesmo tempo, eu e mais um, estávamos treze, eu era o número dois, foi um castigo que nos foi dado por causa dum protesto que fizemos. Queixámo-nos cá para a rua “temos fome, queremos visitas, temos fome, queremos visitas, temos fome”, isto em Peniche, e como eu era o número dois, havia a cela número um, cela número dois, número três (…).

In Vidas na Clandestinidade, Ed. “Avante”, 2011

Conte-nos a sua história

Contribua para a nossa memória histórica coletiva

Se quiser deixar o seu testemunho contribuindo para a nossa memória histórica coletiva, ou disponibilizar um objeto/documento que seja relevante para o espólio do Museu Nacional da Resistência e da Liberdade – Fortaleza de Peniche, deixe-nos uma mensagem que nós entraremos em contacto consigo.

Deixe o seu Testemunho




A informação que vai enviar será guardada e processada através de email apenas para os fins acima mencionados. O MNRL irá tratar a sua informação pessoal com toda a confidencialidade e segurança de acordo com o estabelecido nos regulamentos de proteção de dados. Poderá retirar o seu consentimento de utilização dos dados em qualquer altura. Para tal deverá entrar em contacto com o nosso serviço de apoio a clientes através do endereço do seguinte endereço de email: geral@mnrl.dgpc.pt