Manuel Quinteiro Gomes

Home | Conhecer | Investigação | Testimonies

“Fui preso na oficina da tinturaria da Sociedade de Lanifícios do Tortosendo, onde eu trabalhava”

Manuel Quinteiro Gomes

Registo Geral de Presos n.º 26 508
Cadeia do Aljube – 23.12.1963
Depósito de Presos de Caxias – 14.02.1964
Cadeia do Forte de Peniche – 27.09.1964
Prisão Hospital São João de Deus – 18.05.1966
Cadeia do Forte de Peniche – 11.06.1966
Libertado em 25.01.1967

 

Fui preso [em dezembro de 1963] na oficina da Tinturaria da Sociedade de Lanifícios do Tortosendo, onde eu trabalhava.
Um dos chefes de serviço de uma outra secção entrou na oficina, a fazer-me gestos, a ver se eu [ainda] podia fugir. Mas já vinham os dois republicanos com ele.
A PIDE estava no escritório da firma, mas não entrou lá dentro [da oficina]. A GNR é que me foi buscar e disseram-me “Faça o favor de nos acompanhar ali ao escritório”.
Claro que já estavam [presos] alguns dos colegas e eu já estava a contar [com isso]. A minha infelicidade foi a queda de um nevão uns dias antes que impediu que eu atravessasse os Pirenéus. Quando não eu já lá não estava!
Fui preso porque pertencia à organização do Partido Comunista Português.

[Quando estava preso] “mandei um poema à minha mãe. Correu o boato no Casal da Serra e toda a gente me queria mandar coisas [para a prisão]. Eu só podia receber 30 peças de fruta de cada vez e a minha mãe [quando veio de visita] trouxe-me mais de duzentas!
O chefe dos guardas quando viu disse-me: – “Ó Sr. Manel, isso não pode ser!…”.
E eu respondi: “Eu estou há onze meses sem uma visita. Não queira que eu diga à minha mãe para levar [a fruta] outra vez. O senhor se quiser dar, dê, se quiser deitar fora, deite, mas eu não digo à minha mãe para levar [de volta]. E ele mandou limpar uma arrecadação e encheu-a de fruta.”

Poema à Mãe

“Ó Mãe que tanto esperas
Pelo filho que está ausente
Já não pareces quem eras
Perdeste a Fé, tu que eras crente.

Não chores querida Mãe
Por me veres onde estou,
Pensa antes na nossa vida
Naquele longo caminho
Que o trabalho nos ensinou.”

A minha pior época foi quando nos mandaram para a Soares dos Reis no Porto, para a PIDE do Porto. Eram umas instalações de cimento. Aquilo fazia uma desidratação! O Dr. Vasques Silva perdeu 16 Kg nos três ou quatro meses em que estivemos lá – fomos em julho e viemos de lá em outubro. O Mário Barreto 13 Kg. É que mesmo em calção todo o dia, transpirávamos! Era como a Frigideira do Tarrafal.

As condições no Porto eram péssimas, péssimas. E a alimentação então?! Era tão ordinária, tão ordinária! Um dia pedi para me comprarem um pacote de manteiga e uma faca para pôr a manteiga. Compraram-me a faca, mas não compraram o pão. Tinha a manteiga, mas não tinha o pão!

A nossa transferência para o Porto teve um objetivo fundamental da PIDE. O Tribunal Plenário de Lisboa tinha uma série de advogados que defendiam os presos com unhas e dentes. No Porto não acontecia isso. Nós fomos defendidos por um advogado do Fundão que era um estreante e não tivemos sorte. E puseram lá três juízes, todos com mais de 70 anos, que diziam o que a PIDE mandava!…
A conclusão a que eu e outros chegamos foi esta: fomos vítimas da repressão, dum julgamento fantoche e depois com a agravante da rapaziada toda [companheiros] termos ajudado alguns a fugir para França.

Cadeia do Forte de Peniche

As visitas aconteciam com muito pouca frequência porque as deslocações eram muito irregulares para virem de transportes e as finanças eram baixas. De forma que isso acontecia só de tempos a tempos.

Na Cadeia de Peniche o recreio era feito por pisos separados, nunca se juntavam dois pisos. Era sempre um piso de cada vez.

O pior que passei na cela foi [por causa de] um circo que esteve no Largo aqui em Peniche, que tinha lá um altifalante, que passava o dia a dar música. E então estava no auge, a canção do António Mourão “Ó tempo volta para trás”. Eh pá! As centenas de vezes que eu ouvi aquela música! E eu a dizer para mim mesmo: “Então se o tempo volta para trás nunca mais daqui saio!”.

Em Peniche era às segundas-feiras que se ligava a caldeira [da água] para se tomar banho. E eu, por uma questão de tendência, sempre gostei de tomar banho. [O banho] era uma questão que era decidida pelo guarda que estava de serviço. Eu tocava à campainha e perguntava: “Senhor Guarda posso tomar banho?”. “Hoje não é dia de banho!”. Havia alguns que não autorizavam. Mas havia outros que diziam: “Hoje não é dia de ligar a caldeira”. Como aqui é zona marítima e as águas são muito menos agressivas do que lá na montanha, na Serra da Estrela, eu respondia: “Mas eu tomo com água fria”.
Havia guardas que autorizavam: “Então se toma com água fria, vá tomar.”

Solidariedade entre trabalhadores

Até no trabalho a solidariedade se fazia de muitas maneiras. Havia aqueles encarregados [das fábricas] que às vezes mandavam as pessoas vários dias de castigo para casa. Suspendiam-lhes o trabalho e diziam: “Você vai de castigo dois dias, três dias!”. Era aquela repressão no trabalho!
De forma que nós ativistas, dos quais eu fazia parte, organizámo-nos de tal forma que, quando um colega era posto de castigo, fazíamos-lhe o ordenado. Fazíamos uma cotização entre todos para lhe fazermos o ordenado.

E por essas e por outras lá fomos [para a cadeia] pagar a dívida que tínhamos!

Ver testemunho completo

Tell us your story

Contribute to our collective historical memory

If you want to leave your testimony and contribute to our collective historical memory, or donate a relevant object/document to the National Museum of Resistance and Freedom collections, please send a message. We will contact you later.

 

Leave your Testimony




A informação que vai enviar será guardada e processada através de email apenas para os fins acima mencionados. O MNRL irá tratar a sua informação pessoal com toda a confidencialidade e segurança de acordo com o estabelecido nos regulamentos de proteção de dados. Poderá retirar o seu consentimento de utilização dos dados em qualquer altura. Para tal deverá entrar em contacto com o nosso serviço de apoio a clientes através do endereço do seguinte endereço de email: geral@mnrl.dgpc.pt