A
A
A


TESTEMUNHOS
António Dias Lourenço

  «Às vezes éramos castigados, duramente. Por exemplo, um dos castigos foi estar um quarto de hora a ser espancado a cassetete por cinco guardas ao mesmo tempo, eu e mais um, estávamos treze, eu era o número dois,...

 Ler mais


João Honrado

  «A malta lia também ficção que às vezes entrava e havia lá uma biblioteca. Na altura era possível ler os livros da biblioteca que os presos tinham, que depois esteve muito tempo suspensa porque a gente arranjou...

 Ler mais


Sérgio Vilarigues sobre as casamatas, um dos locais de castigo

  «… Aquilo era assim, entrava-se numa porta e tinha para a direita uma série de “suites” seguidas, todas húmidas, mesmo lama, para a esquerda outra série de “suites” mas com pavimento seco, claro que escolhemos...

 Ler mais


Augusto Valdez

  Desde que fui preso, em 13 de Janeiro de 1938, pus a mim próprio a palavra de ordem fugir. Logo na incomunicabilidade, eu comecei a viver para essa ideia. Da incomunicabilidade fui para o Aljube. Estive aí perto...

 Ler mais


José Vitoriano

  “[ A comuna] Consistia no facto que havia presos de vários estratos sociais, uns recebiam coisas da família com mais frequência, outros não recebiam ou recebiam lá de longe em longe. Eu por exemplo não tinha...

 Ler mais



Se quiser deixar o seu testemunho contribuindo para a nossa memória histórica colectiva, ou disponibilizar um objecto/documento que seja relevante para o espólio do Museu Nacional da Resistência e da Liberdade – Fortaleza de Peniche, deixe-nos uma mensagem que nós entraremos em contacto consigo.



Os seus dados são confidenciais e serão utilizados apenas para os fins acima mencionados.